Em Roma faça como os Romanos…

roma-alterada

É curioso pensar o quanto ouvimos falar da Toscana, do Veneto, da Sicília, mas somos pouco familiarizados com o Lazio (Lácio em português), mesmo que nesta região, esteja situada a capital e principal cidade do país, Roma. Com mais de 2 mil e quinhentos anos de história, desde sua lendária fundação por Romulo, irmão de Remo, gêmeos salvos as margens do Rio Tevere por uma Loba que os criou, a cidade eterna é uma das mais antigas e continuamente ocupadas da Europa, sendo considerada um dos berços da civilização ocidental. Na época do imperador Augusto (63 a.C.), Roma era a maior cidade do mundo, com uma população de cerca de um milhão de pessoas.

remo-e-romulo

Sempre achei que conhecemos melhor uma localidade e seu povo pela sua comida. A gastronomia romana é simples e generosa, como é a população que habita esta cidade. Nas mesas das famílias, mas também nas dos restaurantes, é comum termos um bom pão, um delicioso queijo e um vinho da casa, servidos sem pretensão e com muito charme. As receitas, muitas delas antiqüíssimas, surgidas, transformadas, reinventadas ao longo dos séculos, não são sofisticadas. Muitas nasceram de ingredientes simples, do dia-a-dia de uma população urbana e camponesa, com suas pequenas criações de animais e hortas de consumo familiar. Mas é incrível o que a criatividade e zelo no preparo foram capazes de fazer com ingredientes como tripas e miúdos, ou ovos e panchetta (nosso toucinho defumado).

A simplicidade é acompanhada pelo frescor e sabor dos ingredientes. Há uma grande preocupação de cada família pela procedência, eles preferem e buscam os alimentos de produção local ou mais próxima da cidade. São comuns os mercados de alimentos orgânicos tanto dentro como aos arredores de Roma. As tradicionais osterias, ristorantes e até tabernas abusam de vegetais, azeites, queijos, cortes de carne (que nem sempre são os mais caros) e diversos outros ingredientes que dão origem a delícias tradicionais como o Saltimboca alla Romana, o Carciofo alla Giudia  e também deliciosos petiscos como as Fiori di Zucca fritti ou os Supplì que são os famosos croquetes de arroz com queijo derretido no interior.

Simplificando muito (muito mesmo!), podemos dizer que a Saltimbocca alla romana é um prato feito com pequenos filés de vitela selados, uma fatia de presunto por cima e uma folha de sálvia. As Fiori di Zucca Fritti são flores de abobrinha, recheadas com mozzarella e alici, levemente empanadas em uma massa fina, feita com farinha de trigo, água e cerveja, e depois fritas. É comum achar fiori di zucca nos restaurantes servidas como antepasto. Uma verdadeira delícia! 

O Carciofo alla Giudia é uma alcachofra frita inteira, mergulhada no azeite de cabeça pra baixo. A receita nasceu no Gueto Hebraico, bairro ao norte de Trastevere, e estima-se que tenha sido criada ainda no século XVI. A alcachofra é um dos fortes ingredientes da culinária romana e neste prato ela é a atração principal. Para esta receita usa-se a alcachofra cimaroli (ou mammole), que é cultivada nos arredores de Roma. Este tipo da planta é muito mais macia que as demais, além de não conter espinhos em seu interior. Deste modo, pode ser frita por inteiro, como manda a receita. O melhor lugar para experimentá-la, é em algum dos restaurantes no Gueto Hebraico.

carciofi-alla-giudc3aca-fronte

As famosas pizzas, assadas em forno à lenha, são um capítulo à parte. Não são originárias de Roma, e sim de Nápoles, la pizza napoletana, mas foi absorvida em quase toda a cultura gastronômica italiana, fazendo parte de sua identidade cultural. A pizza italiana é um pouco diferente da que estamos acostumados a comer aqui no Brasil. A tradição por lá é comê-la a qualquer hora, como substituto do almoço, em uma reunião com os amigos após o trabalho ou a noite com a família.

Podemos encontrá-la em uma porção individual, com  diâmetro inferior a 35 cm, massa macia e bordas de 2 cm, ou a popular pizza al taglio (cortada em pedaços), em formato retangular, bastante comum na região central da cidade. A pizza al taglio vale um post completo. Em breve! Eu adoro, são super práticas, são a comida de rua predileta das pessoas em um dia de trabalho atribulado. Você passa por um dos “fornos”, escolhe os sabores, e os valores são cobrados por peso. Super democrático! Também considero a refeição mais barata e saborosa para turistas. Só é preciso escolher com atenção e cuidado para saborear um delicioso pedaço da culinária italiana. E como é divertido para nós, vermos pelas ruas, um entregador carregando uma caixa com um metro de pizza dentro.

Diversos pratos regionais importantes também assumiram caráter nacional. As tradicionais massas frescas, como spaghetti alla carbonara, penne all’arrabbiata ou mesmo um belíssimo rigatoni cacio e pepe, ao longo do tempo ganharam espaço em todo o país, e hoje são sabores, que nos quatro cantos do mundo, nos ligam a Itália. Vale lembrar que por aqui não existe o tal molho Alfredo, que foi inventado pelos romanos para agradar ao paladar dos turistas americanos… Ma Che?! Em um próximo post, prometo falar mais sobre a Carbonara, nossa pasta preferida em Roma! Tantas histórias são contadas sobre sua origem, vale a pena conhecê-las.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s